Shangri-La (The Kinks)

21 01 2013

Paraíso ou inferno? Realidade ou ilusão? Como Oscar Wilde escreveu, a maioria das pessoas não vive, apenas existe. Viver implica em se fazer presente. Em saber onde se está e observar para onde se vai. Caminhar, não importa se pra frente ou pra trás, mas nunca impedir o movimento. Somente você é capaz – e através da sua própria experiência e reflexão – de dizer o que é melhor pra você. Viver é melhor do que apenas existir, contudo dá muito mais trabalho. Ninguém pode se curar de uma doença que sequer conhece.

Me lembrou um blog sobre Budismo que um amigo meu publica. Acho o Budismo uma religião interessantíssima. “Ser budista” implica necessariamente em observar a própria mente e ser plenamente responsável pelas próprias escolhas. Significa estar consciente do que é sofrimento para em seguida descobrir que você sofre e gera sofrimento e finalmente encontrar um meio de parar essa reação em cadeia. Ou seja, se fazer presente no mundo, conhecendo-se e conhecendo o mundo, observar a si mesmo e ao seu entorno para finalmente mover-se livremente. Atenção, reflexão e ação.

A canção de hoje é baseada no livro Horizonte Perdido (James Hilton) que conta a história de um local entre as montanhas do Himalaia chamado Shangri-La onde reina paz e tranquilidade. Para uns isso quer dizer a felicidade plena e talvez para outros opressão e controle. A idéia veio da lenda tibetana de uma cidade sagrada chamada Shambala onde apenas os iluminados viveriam. Acho que é uma das músicas mais bonitas dos Kinks, junto com Lola, que posto algum dia.

Boa semana!

Link para o blog (numa postagem que resume noções básicas de Budismo):

http://rodadalei.blogspot.com.br/2012/11/budismo-nocoes-basicas.html

Leia o livro:

http://pt.scribd.com/doc/59909340/James-Hilton-Horizonte-Perdido-WwW-livrosGratis-net

Ouça a música:

Advertisements




Yesterday & Today (Do As Infinity)

20 01 2013

Retomo o blog. Acho que já faz quase dois anos desde a ultima postagem. Talvez incluir alguma reflexão, tenho pensado muito sobre muita coisa, embora não ache que minha opinião importa tanto ou que eu precise necessariamente de publicá-la num local de livre acesso. A verdade é que eu sempre quis ter um blog, mas nunca soube sobre o que escrever. Se abro muito o foco, falo sobre tudo e ao mesmo tempo sobre nada, se fecho acabo cansando. Então me dispus a simplesmente postar e ver o que vai rolar. Sim, antes eu postava em inglês, talvez eu volte a fazer isso, talvez não. Ontem foi um dia, hoje é outro. E a vida se movimenta em todas as direções. Sem esquecer a frase do Sêneca que eu deixo aí no cantinho do blog:

“Comece logo a viver e viva cada dia como se fosse uma vida.”

Como em cada postagem indicava alguma canção, segue uma do início da década passada. Uma canção que – pra mim – fala sobre despedidas e coragem pra continuar. E lá vai a música.